Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Na contramão da evolução, estilistas investem em peles

“Ele (Anderson Birman - presidente e fundador do grupo Arezzo) afirmou que a Pelemania não é uma moda lançada pela marca, mas sim uma tendência mundial para o inverno 2011. “Em todos os editoriais de moda de todas as revistas do mundo, inclusive nas brasileiras, esse fenômeno do uso de peles está sendo veiculado. Todas as marcas estão usando, é uma tendência forte”, afirmou.” 



Imagem do site da Arezzo
 
O parágrafo acima faz parte da matéria “pressão faz Arezzo barrar venda de pele”, escrita por Julianna Granjeia na página B4 da edição de 19 de abril do jornal Folha de S. Paulo. A reportagem relata a decisão da confecção Arezzo de retirar de suas lojas peças confeccionadas com pele de raposa. A atitude foi motivada pela mobilização e pelos protestos nas redes sociais (Twitter e Facebook) de pessoas contrárias à utilização de peles naturais pela grife.

Esse é um ótimo exemplo do poder que os consumidores têm e como tal fenômeno pode sim influenciar e motivar mudanças. O mesmo serve para a política: se os cidadãos cobrarem dos administradores públicos e parlamentares, políticas públicas, leis e gestão do Estado podem sim serem construídas e conduzidas de acordo com parâmetros éticos e morais.

Voltemos à questão das peles...

Na matéria “Após críticas, Arezzo retira peças com pele verdadeira das lojas”, das repórteres Afra Balazina e Andrea Vialli e que foi publicada 19 de abril na página A18 de O Estado de S. Paulo, há o segunite parágrafo:

“O uso de peles verdadeiras está em alta tanto no Brasil quanto no exterior. Neste ano, no Fashion Business – evento paralelo à Fashion Rio -, três estilistas levaram peles à passarela: Carlos Miele (raposa e coelho); Patrícia Vieira (pele de cabra e coelho) e Victor Dzenk (peles de chinchila tingidas de rosa, vermelho e azul).”

Questão para o momento: a indústria da moda já não possui peles sintéticas com qualidade para substituir às peles de animais? Sabemos que sim, mas para Briman a pele de raposa foi usada para “sofisticar” a coleção (declaração do empresário à Folha de S. Paulo). O material foi utilizado em um modelo de estola, de uma bolsa e de uma bijuteria. As peças feitas com peles de coelho – ponteiras de cadarços – continuarão nas lojas.

A polêmica entorno da Arezzo me remeteu ao artigo “Luxo abaixo de zero”, escrito por Christian Carvalho Cruz e publicado em O Estado de S. Paulo de 18 de janeiro de 2011. O texto, que repercute os desfiles com peles da Fashion Business (citado acima), traz a seguinte declaração do empresário Carlos Perez, que cria chinchilas em Itapecerica da Serra (SP):

“Os ativistas pelos direitos dos animais dizem que eu mato chinchila para madame se proteger do frio. E é isso mesmo que eu faço. Mas faço com todas as autorizações e licenças ambientais, e chinchila minha não sofre. Nem na vida nem na morte. Elas têm do bom e do melhor, isso eu posso lhe assegurar.”

Mais adiante, no artigo, Perez descreve como são mortas as chinchilas:

“Tem criador que primeiro a adormece com éter. Eu confesso que não tenho tempo, porque chego a abater 200 num único dia. Seguro a chinchila pelo rabo, deixando-a de cabeça para baixo. Então, pego o pescocinho dela e o viro para cima, num ângulo de 90 graus. Aí dou um tranco, uma esticadinha. Com isso secciono a medula de forma rápida e indolor, ela morre instantaneamente. O barulho é o de um palito de dente quebrando.”

Um casaco de chinchilas na altura dos joelhos consome 200 animais. A argentina e o Brasil são os maiores produtores mundiais de peles de chinchila, afirma Christian, e os chineses compram 95% da produção nacional. Segundo a International Anti-Fur Coalition (IAFC – Coalizão Antipele Internacional), os criadores chineses são os mais cruéis, esfolando os animais ainda vivos.

Para Fábio Paiva, da ONG Holocausto Animal (que representa a IAFC no Brasil), “matar bicho para preencher sei lá que tipo de vazio existencial de alguém não é coisa que se faça.”

- Texto copiado do site da Arezzo sobre a polêmica:

“Prezados consumidores,

A Arezzo entende e respeita as opiniões e manifestações contrárias ao uso de peles exóticas na confecção de produtos de vestuário e acessórios.

Por isso, viemos por meio deste nos posicionar sobre o episódio envolvendo nossas peças com peles exóticas - devidamente regulamentadas e certificadas, cumprindo todas as formalidades legais que envolvem a questão.Não entendemos como nossa responsabilidade o debate de uma causa tão ampla e controversa.

Um dos nossos principais compromissos é oferecer as tendências de moda de forma ágil e acessível aos nossos consumidores, amparados pelos preceitos de transparência e respeito aos nossos clientes e valores. E por respeito aos consumidores contrários ao uso desses materiais, estamos recolhendo em todas as nossas lojas do Brasil as peças com pele exótica em sua composição, mantendo somente as peças com peles sintéticas.

Reafirmamos nosso compromisso com a satisfação de nossos clientes e com a transparência das atitudes da Arezzo.

Atenciosamente,
Equipe Arezzo”

- Leia a matéria da Folha de S. Paulo.

Nenhum comentário: