Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Reflexão para o fim de semana: superpopulação humana e extinção de animais

Já somos 7 bilhões. Entre as notícias veiculadas sobre o novo patamar numérico da população humana, encontrei uma notícia um tanto exótica. Reproduzindo uma matéria do The New York Times, o portal Último Segundo publicou, em 1º de novembro de 2011, “Campanha associa superpopulação à extinção de animais”. O texto apresenta a campanha da ONG americana Centro de Diversidade Biológica em que distribui camisinhas com mensagens preservacionistas.

Foto: Tony Cenicola/The New York Times

“Grandes grupos ambientais dos Estados Unidos evitaram o tema do controle populacional ao longo de décadas, com medo de entrar na polêmica da política de saúde reprodutiva.

No entanto, praticamente sozinho, o Centro de Diversidade Biológica está quebrando o tabu de associar diretamente o crescimento da população e os problemas ambientais através de esforços como a entrega de preservativos em pacotes coloridos retratando animais ameaçadas de extinção.

A ideia é dar início a um debate sobre como a superpopulação elimina espécies e acelera a mudança climática – justamente quando o mundo chega a 7 bilhões de habitantes.

"Use com cuidado e salve o urso polar", diz um dos pacotes. "Usar um preservativo agora, pode salvar uma coruja", diz outro.”
– texto do Último Segundo

A ideia partiu do raciocínio de que o crescimento da população humana fará tanta pressão sobre a biodiversidade que as demais espécies animais desaparecerão. Será???

- Leia a matéria do Último Segundo
- Conheça o Centro de Diversidade Biológica (em inglês)

Um comentário:

depaula disse...

Gostei. Não sou expert mas acredito que se os humanos não começarem a pensar nisso, logo não haverá espaço para mais ninguém. Nâo são apenas os animais que correm risco. Todos nós corremos.