Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Fauna marinha: quando a pesca ajuda e quando a pesca atrapalha

Quando a pesca ajuda...

“O peixe-boi marinho, o mamífero aquático mais ameaçado de extinção do mundo, encontrou no litoral do Piauí, a 380 quilômetros de Teresina, um lugar de águas claras e tranquilas para procriar e fugir do risco de desaparecer. Sua população, que beirava aos 20 animais no início dos anos 1980, hoje já é estimada entre 35 e 40, aproximadamente o dobro em 30 anos.” – texto da matéria “População de peixe-boi marinho no litoral do Piauí dobra em 30 anos”, publicada em 29 de novembro de 2011 pelo site piauiense cidadeverde.com


Estima-se em 500 indivíduos a população do animal no Brasil
Foto: Divulgação Projeto Peixe-boi Marinho

E esse aumento da população de peixes-bois aconteceu a partir da parceria entre ambientalistas e pescadores. Veja:

“Trabalhando na região desde 1991, a paulistana Patrícia Claro, faz parte de uma equipe de dez pessoas que atua na defesa e preservação do peixe-boi no Piauí. São técnicos do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), funcionários da prefeitura e estagiários. Segundo ela, o peixe-boi chegou ao Piauí bem antes dos colonizadores europeus. “O Piauí tem uma área bem preservada e isso é fundamental para a preservação da espécie”.(...)

Patrícia Claro garante também que o sucesso do projeto de preservação se deve muito ao relacionamento tranquilo dos pescadores com o peixe-boi. “O peixe-boi respeita o pescador e o pescador respeita o peixe-boi. Aqui nunca foi local de caça”, concluiu.”
– texto do cidadeverde.com

Toda e qualquer ação de conservação ou preservação ambiental só tem sucesso quando as comunidades locais são envolvidas nos processos de decisão e participam ativamente. Caso contrário, será mais um exemplo de marginalização e de fracasso.

Quando a pesca atrapalha...

“Biólogos e pesquisadores da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), em Santa Catarina, investigam juntamente com a Polícia Ambiental se pescadores utilizaram métodos ilegais para capturar pescados que podem ter causado a morte de 108 animais marinhos, registradas desde a segunda metade de outubro no litoral do estado.

Do dia 21 até 29 de novembro, a quantidade de tartarugas, golfinhos, botos e baleias mortas subiu de 31 para 108. Segundo informações do Museu Oceanográfico da Univali, a maioria das vítimas são tartarugas-verdes (Chelonia mydas). Até agora já foram encontrados 90 exemplares sem vida em praias catarinenses, principalmente as da região centro-norte do litoral.”
– texto da matéria “Sobe para 108 o número de animais encontrados mortos em praias de SC” publicada em 30 de novembro de 2011 pelo portal G1

Tartaruga-verde encontrada morta em Santa Catarina
Foto: Divulgação Univali

Essa mortandade pode ser resultada da falta de orientação dos pescadores.

“Segundo Rosa Soto (Jules Marcelo Rosa Soto, curador do Museu Oceanográfico da Universidade do Vale do Itajaí - Univali), é a primeira vez desde que o monitoramento de animais marinhos na região foi iniciado, há 18 anos, que ocorre essa alta densidade de mortes. “Temos a suspeita de que os pescadores estão utilizando redes de malhas finas próximo à costa. Isso pode fazer com que os animais fiquem presos”, disse o pesquisador.

A pesca de malha fina é proibida no Brasil, segundo a legislação ambiental. “Mas vamos aguardar o nosso relatório que vai averiguar de fato o que tem acontecido”
, afirma.” – texto da matéria do portal G1

Vale destacar que, no caso de Santa Catarina, a morte desses animais não é resultado apenas da falta de orientação, mas da ausência de fiscalização, já que essa modalidade de pesca é ilegal.

- Leia a matéria do site cidadeverde.com
- Leia a matéria do portal G1
- Conheça o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Mamíferos Aquáticos do ICMBio, que desenvolve o Projeto Peixe-boi Marinho
- Saiba mais sobre o peixe-boi marinho

Nenhum comentário: