Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

quinta-feira, 1 de março de 2012

Lobo-guará: por muito pouco, o cativeiro definitivo

Durante a soltura de uma fêmea de lobo-guará realizada em 28 de fevereiro de 2012 em Vinhedo (SP), a veterinária responsável pelo centro de reabilitação de animais silvestres da Associação Mata Ciliar, Cristina Adania, declarou:

“E por muito, muito pouco ela não fica em cativeiro definitivamente: era necessária uma área com vegetação, e foi muito difícil encontrar um local onde a soltura pudesse ser feita, devido à grande urbanização em Vinhedo.”- texto da matéria “Lobo-guará volta para casa”, publicada em 29 de fevereiro pelo site Terra da Gente


Soltura da fêmea de lobo-guará
Foto: Divulgação AutoBan

O animal foi resgatado há uma semana em um condomínio vizinho à Via Anhanguera, em Vinhedo. Ele foi levado para a sede da Associação Mata Ciliar, em Jundiaí, onde foi examinado e recebeu identificação para monitoramento por meio de um rádio colar e um microchip.

Sobre o que foi dito pela veterinária Cristina Adania, é necessária uma reflexão (que, por sinal, a imprensa não prestou atenção): a falta de áreas para soltura de animais reabilitados. O Brasil ainda está longe de ter uma rede competente de centros de reabilitação e reintrodução de animais silvestres. Mas será que, independentemente de termos essa rede funcionando, chegaremos ao ponto de não termos áreas adequadas para devolver espécimes à vida livre?

Já pensou na vergonhosa situação de termos uma estrutura eficiente para atender animais resgatados do tráfico ou de áreas urbanizadas e não conseguirmos realizar as solturas necessárias por, pasmem, falta de áreas naturais conservadas no Brasil?

Esse é um dos motivos que salientam a importância da ampliação e gestão eficiente das unidades de conservação de proteção integral (como os parques, as estações ecológicas e as reservas biológicas) e, sobretudo, a proteção de ecossistemas ainda conservados em áreas privadas. Saiba que a maior parte dos remanescentes de Mata Atlântica, por exemplo, não estão em terras protegidas pelo poder público. Estão em propriedades particulares.

Reserva Legal e Área de Proteção Permanente (APPs) têm funções ecológicas extremamente importantes. Acompanhe e manifeste-se no processo de alteração do Código Florestal. A fauna silvestre é um fator, entre tantos outros, que dependem dessa legislação.

- Leia a matéria completa do site Terra da Gente
- Conheça a Associação Mata Ciliar

Nenhum comentário: