Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

terça-feira, 26 de junho de 2012

Filhote de tamanduá atropelado sobrevive: que sorte e que azar

Ontem, o Fauna News publicou um vídeo de um bicho-preguiça atravessando uma rodovia no Espírito Santo. O animal teve sorte ao cruzar o caminho de motoristas atentos que conseguiram parar seus veículos e, pacientemente, aguardaram a lenta travessia. Caso raro!

Encontrei outro caso raro:

“Um filhote de tamanduá-bandeira de cerca de 4 meses foi resgatado em uma estrada na cidade de Sacramento, no Alto Paranaíba, sob o corpo da mãe morta, vítima de atropelamento. O veterinário Cláudio Yudi, do Hospital Veterinário de Uberaba, no Triângulo Mineiro, recebeu o filhote na última terça. Ele foi encontrado na noite de segunda-feira por uma pessoa que passava pela estrada e acionou a Polícia Militar de Meio Ambiente, que acionou a clínica. “Fiz os exames ontem e ele estava muito bem, andando. No começo estava um pouco arredio”, explica o veterinário. O filhote, um macho, foi alimentado com leite artificial enriquecido com vitamina K, presente nos insetos dos quais a espécie se alimenta.” – texto do jornal Estado de Minas, publicado em 20 de junho de 2012 (quarta-feia)

O pequeno sobrevivente
Foto: L. Adolfo/Futura Press

Que sorte teve esse filhote de, agarrado à mãe, nada sofreu com o atropelamento.

Que azar teve esse filhote que, sem a mãe para ensiná-lo a viver na natureza com autonomia, tem grandes chances de ficar o resto da vida no cativeiro. Não morreu fisicamente, mas está praticamente morto ecologicamente, já que não poderá cumprir suas funções no ecossistema em que vivia.

- Leia a matéria completa do Estado de Minas
- Assista ao vídeo do bicho-preguiça atravessando a rodovia no Espírito Santo

Será que ele volta à vida livre?
Foto: Cláudio Yudi

Nenhum comentário: