Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

terça-feira, 31 de julho de 2012

8.700 animais apreendidos e 4 mil pessoas presas: Interpol em ação contra o tráfico de fauna

“LYON, França - Mais de 8.700 pássaros e animais, incluindo répteis, mamíferos e insetos foram apreendidos e cerca de 4.000 pessoas presas em uma operação em 32 países coordenados pela INTERPOL contra o comércio ilegal e da exploração das aves e seus produtos.” – texto traduzido da matéria “Thousands arrested in INTERPOL operation targeting illegal trade in birds”, publicada em 25 de julho de 2012 pela Interpol em seu site

Aves apreendidas na Colômbia durante Operação Cage
Foto: Divulgação Interpol

Essa operação, denominada Cage (gaiola), aconteceu entre abril e junho de 2012 e envolveu também o Brasil. Ela foi organizada para combater o crescente comércio internacional ilegal de aves criadas em cativeiro e silvestres e ovos, como envolvimento cada vez maior de redes de crime organizado traficando da América Latina para a Europa.

Os números são assustadores para quem não tem contato rotineiro com a realidade do tráfico de animais. Mas é isso mesmo. Foram necessários apenas três meses para a identificação de 4 mil pessoas envolvidas com esse crime, além da apreensão de mais de 8.700 animais.

Apreensão na Hungira
Foto: Divulgação Interpol

‘"A Operação Cage mais uma vez demonstra claramente a escala global do problema do comércio ilegal de aves e outros animais selvagens, que não é apenas uma questão do crime organizado, mas também representa um risco de biossegurança", disse David Higgins, gerente de Programa de Crime Ambiental da INTERPOL.’ - texto da Interpol

Infelizmente, no caso brasileiro, os que foram surpreendidos com animais silvestres responderão pelo crime em liberdade e dificilmente serão condenadas pela Justiça. Nossas leis são fracas e os traficantes de animais sabem disso.

Mas a repressão tem de existir, incomodar e mostrar que, de alguma forma, algum setor do poder público e da sociedade está incomodado com o tráfico de animais. O crescimento do problema, afirmado pelo gerente da Interpol, acontece também porque há demanda, isto é, há quem compra.

Enquanto não houver ações efetivas de conscientização das pessoas sobre os problemas envolvidos no tráfico de animais, é bobagem esperar que a repressão acabe com o tráfico de fauna – mesmo porque, essas operações são pontuais e, perante a dimensão desse crime, de pouca impacto.

- Leia o texto completo da Interpol (em inglês)

Nenhum comentário: