Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

sexta-feira, 20 de julho de 2012

Reflexão para o fim de semana: levamos o caos à natureza e os animais são as vítimas

“O número de animais silvestres desalojados de seu habitat natural e que consequentemente tem invadido casas, aparecendo nas cidades e rodovias próximas às cidades tem crescido constantemente, e Campinas vem engrossando as estatísticas. O problema, segundo os especialistas, é devido ao crescimento desordenado das cidades, às áreas de preservação ambiental insuficientes e à falta de corredores ecológicos, por onde os bichos possam se locomover.

Coruja-orelhuda sendo solta após resgate e tratamento
Foto: Divulgação PlanetVet

Comparando-se o primeiro semestre de 2011 com o mesmo período de 2012, a ONG Mata Ciliar, que atua recolhendo animais de Campinas e região, observou um aumento de 85% no resgate de tais animais. Em 2011, a ONG recebeu 1.793 animais silvestres, dos quais 763 puderam ser soltos após reabilitação. A porcentagem de soltura foi de 42%. Já nos sete meses de 2012, foram 772 animais recebidos e 288 soltos - uma porcentagem de soltura de 38%.”
– texto da matéria “Resgate de animais silvestres aumenta 85% no ano”, publicada em 16 de julho de 2012 pelo site rac.com.br (Rede Anhanguera de Comunicação, de Campinas e região)

Esse fenômeno do crescimento urbano desordenado, aliado à falta de planejamento na construção de rodovias e implantação de propriedades rurais, está acabando com as matas e fragmentando as poucas existentes. Dessa forma, os animais perdem sua área de alimentação e busca por parceiros para reprodução, obrigando-os a se arriscar em travessias de estradas, no contato com a rede elétrica e em vagar pelos trechos urbanos dos municípios.

O resultado está nos números divulgados pela Associação Mata Ciliar. E a situação vai piorar, já que providências efetivas pelo poder público, tanto na ação efetiva de soluções como na implantação de projetos de educação ambiental para a população.

“'Infelizmente, tem sido sempre uma crescente', diz o médico veterinário Diogo Ribeiro Siqueira, diretor do Planet Vet, entidade que recolhe cerca de 270 animais por mês na região. 'Como as cidades têm crescido de forma desordenada, incluindo-se aí a construção de condomínios e de chácaras em áreas inapropriadas, cada vez mais os animais vêm perdendo seu espaço e, por isso, são obrigados a migrar para tentar sobreviver', explica Siqueira.” – texto do rac.com.br

Gambá teve lingua perfurada com anzol durante tentativa de resgate feita por pessoas não treinadas
Foto: PlanetVet

E esse problema não afeta somente os animais. As pessoas  passam a ficar expostas ao contato direto com os bichos, sujeitas portanto a serem mordidas (principalmente em quem tentar realizar alguma captura e não tiver capacitação e equipamentos adequados para tal) e aos riscos de zoonoses.

Portanto, senhores do poder público, a vida dos animais e a saúde dos cidadãos dependem muito de ações responsáveis e, sobretudo, de planejamento. Corredores de fauna, planos diretores sustentáveis, educação ambiental, equipes de fiscalização ambiental treinadas, motivadas e equipadas, atenção para as rodovias, a rede elétrica e as lavouras (queimadas agrícolas) e a criação de mais unidades de conservação são apenas alguns pontos que devem ser trabalhados.

Mãos à obra!

Comentário final: no primeiro parágrafo, o jornalista da Rede Anhanguera de Comunicação escreveu que os animais silvestres estão invadindo casas. Quem está invadindo a casa de quem?

- Leia a matéria completa do rac.com.br

Nenhum comentário: