Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Reflexão para o fim de semana: pegou os pássaros para criar. Um aparente ato inocente

“Um homem foi detido, por volta das 22h desta quarta-feira (28), por transportar pássaros silvestres sem autorização do Ibama. As aves da raça trinca-ferro foram encontradas dentro de um ônibus que fazia a linha Umuarama a São Paulo, abordado pela Rotam da Polícia Rodoviária Estadual (PRE) na PR-323, em Doutor Camargo (a 36 km de Maringá), próximo à ponte do Rio Ivaí.

Pássaros apreendidos em ônibus no Paraná
Fotos: Douglas Marçal

Os pássaros foram encontrados dentro de pequenas gaiolas, alojadas em uma sacola de mão. Os animais estavam no saguão de passageiros, junto com o homem. O acusado e as aves foram encaminhados para a 9ª Subdivisão de Polícia Civil, em Maringá.”
– texto da mataria “Homem é detido escondendo pássaros silvestres em ônibus”, publicada em 29 de novembro de 2012 pelo site do jornal paranaense O Diário

Com certeza, o sujeito sabe que não pode transportar as aves sem autorização. Também sabe que criá-las é ilegal. Mas - outra certeza -, ele não nutre a sensação de estar cometendo um crime.

Esse sujeito deve, sinceramente, gostar dos animais.
Esse sujeito deve trabalhar, ter emprego.
Esse sujeito deve ter religião e frequentar alguma igreja.
Esse sujeito é, enfim, igual a muitos de nós. Não é um bandido. Mas ele sabe que é errado estar com os pássaros.

“Na delegacia, o homem contou que é criador amador de pássaros. Ele os teria recebido de um pastor em Umuarama, cidade em que estava a passeio. Os animais seriam levados a São Paulo, onde reside. Ele pagou fiança e foi colocado em liberdade.” – texto de O Diário

O que esse sujeito provavelmente não sabe é a dimensão do problema em que está envolvido.
Ele não sabe que faz parte, como “consumidor”, de um esquema que retira, estima-se, 38 milhões de animais da natureza por ano no Brasil.
Ele não sabe que a ausência desses animais no ecossistema de origem deles gera consequências que podem ser graves.
Ele não sabe que pode estar colocando a saúde de seus amigos e familiares em risco por causa de doenças transmitidas pelos animais (zoonoses).
Ele acha que o animal não vai sofrer tanto para se acostumar viver em uma gaiola.

Esse sujeito, infelizmente, nunca foi alvo de alguma campanha de conscientização sobre o problema do tráfico de animais. E também não será punido, afinal a lei é ridícula.

- Leia a matéria completa de O Diário

Nenhum comentário: