Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Tráfico de animais pelo mundo: no México parecido com o Brasil

Assim como acontece no Brasil, em Guadalajara, no México, o tráfico de animais acontece abertamente em feiras e áreas específicas para a compra de determinados animais.

“Ter um animal de estimação exótico é uma tendência que continua. Apesar de licenças serem  necessárias para a reprodução e o comércio dessas espécies, há espaços públicos onde prolifera o tráfico de animais. Exemplo é"El Baratillo", onde os exemplares – para compra na hora ou por encomenda - estão disponíveis para qualquer tamanho de bolso.

Répteis sendo vendidos ilegalmente no México
Foto: site Informador

Na rua 38 e Payno Manuel, no Setor Libertad, entre observadores e vendedores de tartarugas, está  "Animalandia" ou "Tianguis de los perros", assim conhecida por ser o cão o animal mais negociado nesse ponto;  um parque,  em área municipal, onde se negociam aves domésticas e de caça.

Também são ofercedicos peixes, répteis, aracnídeos e outros vertebrados, embora invertebrados sãejam encontrados, apesar de o "especial" serem os animais exóticos para venda a vista do grande público.”
– texto traduzido da matéria “Persiste tráfico de fauna silvestre en ''El Baratillo'', publicada em 23 de dezembro de 2012 pelo site mexicano Informador

A situação no México lembra bastante o que, no Brasil, encontra-se em feiras de rolo. No Norte e Nordeste, principalmente (mas também com frequência no Rio de Janeiro e em São Paulo), essas feiras possuem setores especializados na venda de animais silvestres. As aves, os pequenos répteis e primatas são as principais vítimas desse comércio.

Esse tido de comércio exige duas ações fortes do poder público: fiscalização rotineira para reprimir a ação dos traficantes e educação ambiental para os frequentadores desses locais para ocorrer a redução da demanda.

- Leia a matéria completa do site Informador (em espanhol)

Nenhum comentário: