Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Tailândia é exemplo: não basta só apreender, é preciso estrutura para combater o tráfico de fauna

“A Tailândia quer acabar com a sua imagem como um lugar onde muitos tipos de animais selvagens - tartarugas de Madagascar, macacos sagüis da América do Sul, pássaros exóticos - são encontrados à venda, um comércio internacional impulsionado pelo mercado global de carnes exóticas e animais raros.

Filhotes de tigre apreendidos
Foto:  Giulio Di Sturco/International Herald Tribune

Durante os últimos dois anos, as autoridades locais capturaram mais de 46.000 animais de traficantes, vendedores e caçadores, mais que o dobro dos 18.000 apreendidos nos dois anos anteriores.

Mas agora o governo enfrenta o dilema de o que fazer com todas as criaturas que salvou - uma espécie de Arca de Noé de espécies ameaçadas de extinção, que provavelmente afundaria sob o peso de todos os elefantes, tigres, ursos e macacos.

"Quanto mais animais nós apreendemos, mais animais temos sob o nosso cuidado", explicou Theerapat Prayurasiddhi Said, vice-diretor-geral do Departamento de Parques Nacionais, Vida Selvagem e Conservação de Plantas.”
– texto da matéria “Na Tailândia, cuidar de animais exóticos apreendidos se torna um fardo”, publicada em 12 de fevereiro de 2013 com informações do The New York Times

Combater o tráfico de fauna não é uma atividade simples. Não basta colocar policiais para identificar traficantes e apreender animais. É preciso ter infraestrutura para receber e cuidar dos bichos (alvo da matéria), planejamento para devolvê-los à natureza quando possível, leis eficientes, políticas de geração de renda em áreas carentes e, sobretudo, muito investimento em educação ambiental.

O que está acontecendo na Tailândia, um dos maiores centros de comércio de animais silvestres do mundo, é reflexo dessa falta de planejamento. O tráfico de fauna por lá se caracteriza pela existência de grandes quadrilhas organizadas, que atuam transnacionalmente – diferentemente do mercado negro brasileiro, em que as quadrilhas são menos estruturadas, menores e têm menos dinheiro.

Gibões em centro da Tailândia
Foto: Giulio Di Sturco/International Herald Tribune

Mas, assim como no Brasil, a Tailândia não está preparada para o aumento do número de apreensões. Os centros de recebimento de animais acabam se tornando depósitos de animais que, sem a devida atenção técnica, têm a chance de retornar à vida livre reduzidas a cada dia.

- Leia a matéria completa do Último Segundo

Nenhum comentário: