Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

Profissional do tráfico reincidente. E com apenas 22 anos

“Um jovem de 22 anos foi preso, por volta das 16h30 desta quarta-feira (11), no Centro de São Sebastião do Oeste, suspeito de tráfico de animais silvestres, que é o comércio ilegal de espécies protegidas. Segundo as primeiras informações ele preparou um carregamento com quase 100 pássaros da fauna silvestre brasileira que seria levado de van para Alagoas. Uma equipe de cinco policiais da Polícia Militar de Meio Ambiente (PMMA) participou da ação e faz a contagem e reconhecimento das espécies. Segundo os militares a maioria é canário chapinha.

Aves da Minas Gerais iriam até Alagoas
Foto: Douglas Santiago

Em alguns dos viveiros foram encontradas quase quarenta aves e segundo informações repassadas em denúncia para a polícia, esta não é a primeira vez que o jovem comete esse tipo de crime. (...)”
– texto da matéria “Jovem é preso em São Sebastião do Oeste suspeito de tráfico de animais”, publicada em 11 de dezembro de 2013 pelo portal G1

Com apenas 22 anos, o traficante já foi preso em outra ocasião por esse mesmo crime. Como a lei não permite que esse tipo de infrator permaneça preso até o julgamento, e como o comércio ilegal de fauna não acaba em cadeia no Brasil, o rapaz continua atuando no mercado negro.

E assim continuará.

O fato de a venda partir de Minas Gerais para Alagoas chama a atenção. O padrão é que animais saiam de estados do Nordeste, Norte e Centro-oeste para as regiões Sudeste e Sul. Deve-se lembrar que a maioria dos municípios nordestinos tem feiras onde silvestres são vendidos e, nas grande cidades da região, é possível encontrar animais de várias regiões brasileiras.

Estimativa de 2001 da Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais (Renctas) indica que cerca de 38 milhões de animais são retirados da natureza brasileira para abastecer esse mercado negro.

- Leia a matéria completa do portal G1

Nenhum comentário: