Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

Atropelamento de fauna: quantidade nem sempre é importante

“De acordo com levantamento da organização não governamental (ONG) Associação em Defesa do Rio Paraná, Afluentes e Mata Ciliar 'Apoena', morrem dois animais silvestres atropelados por mês na estrada vicinal Prefeito Élio Gomes, em Presidente Epitácio, que corta a Reserva Florestal do Córrego do Veado. Segundo o presidente da entidade, o ambientalista Djalma Weffort, o número pode parecer pequeno, mas é relevante, pois se tratam de espécies nativas e, algumas, em extinção.

Jaguatirica morta em estrada de Presidente Epitácio (SP)
Foto: Djalma Weffort/Apoena

Ainda de acordo com a Apoena, já foram registradas mortes de cervo-do-pantanal, criticamente ameaçado no Estado de São Paulo, cachorro-do-mato, tamanduá-bandeira, tamanduá-mirim, macaco-bugio, mão-pelada (guaxinim), tatu, lebrão, jibóia e jaguatirica. “A tendência é de que estes números cresçam, já que as boas condições da pista fizeram com que os condutores dirigissem em velocidades mais altas”, declara Weffort.” – texto da matéria “Dois animais silvestres morrem por mês em estrada no Córrego do Veado”, publicada em 13 de janeiro de 2014 pelo portal G1

Veado atropelado
Foto: Djalma Weffort/Apoena

A declaração de Weffort no final do primeiro parágrafo é de extrema importância. A maior parte dos levantamentos de atropelamentos de animais ganha destaque pela quantidade. Em seguida, se analisam as quantidades de cada espécie, dando novamente destaque para aqueles que são mais vitimados.

Mas toda quantidade é relativa. Dependendo da população local da espécie, o número de mortes por atropelamento por ser ou não representativa. Por exemplo, em uma população de 10, a perda de 5 representa 50%. Já em uma população de 100, 20 atropelados são 20%.

E isso deve pesar na análise dos atropelamentos envolvendo o ameaçado cervo-do-pantanal.

Apesar de toda a vida ser importante e ter seu valor, nem sempre a quantidade é um indicativo da dimensão do problema.

- Leia a matéria completa do G1

Nenhum comentário: