Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Começar a semana pensando...

...no quanto vale investir na proteção da fauna silvestre: aumenta a população da arara-azul-de-lear!

“Brasília (05/12/2011) – O Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres (Cemave), do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), acaba de concluir mais um censo da população de araras-azuis-de-lear (Anodorhynchus leari). A espécie, criticamente ameaçada de extinção, é endêmica (exclusiva) da região do Raso da Catarina, no sertão baiano. Os primeiros dados mostram que a população vem crescendo em ritmo contínuo e sustentável ao longo dos anos.


Foto: Adrianao A. Paiva/ICMBio

No total, foram registrados 1.150 indivíduos. Há dois anos, esse número girava em torno de 900. O primeiro censo, realizado em 1987, registrara apenas 60 indivíduos, o que apontava para uma provável extinção da espécie. Pesquisadores são unânimes em afirmar que essa situação foi revertida, principalmente, pela criação da Estação Ecológica (Esec) do Raso da Catarina, que tem como principal objetivo proteger o habitat da arara-azul-de-lear.”
– parte do texto de divulgação da Assessoria de Comunicação do ICMBio

De acordo com a ICMBio, a arara-azul-de-lear é ameaçada pelo tráfico ilegal e pela destruição de seu habitat. “A situação é extremamente preocupante também devido ao crescimento desordenado que vêm ocorrendo nos arredores dos municípios localizadas na área de distribuição da espécie.  A ave é alvo de traficantes e colecionadores devido, principalmente, a sua beleza, adaptabilidade ao cativeiro e capacidade de interação.”

Foto: Adriano A. Paiva/ICMBio

O tráfico éconsiderado a principal causa da extinção na natureza da ararinha-azul (Cyanopsitta spixii). De acordo com o 1º Relatório Nacional sobre o Tráfico de Fauna Silvestres, publicado pela Rede Nacional de Combate ao Tráfico de Animais Silvestres (Renctas) em 2001, “apenas cerca de 5% dos psitacídeos no comércio são provenientes de criação em cativeiro, o restante é retirado da natureza pois a reprodução desses animais é difícil e cara.”

- Leia a matéria de divulgação do ICMBio
- Conheça Cemave – Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Aves Silvestres – do ICMBio- Conheça o Projeto Arara Azul
- Conheça a Renctas
- Saiba mais sobre a arara-azul-de-lear (Wikiaves)

Nenhum comentário: