Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Reflexão para o fim de semana: legalizar o comércio de chifres para proteger os rinocerontes?!?

Está publicado na edição de hoje de O Estado de S. Paulo (página A26):

“ÁFRICA DO SUL

País estuda legalizar comércio de chifres

O governo da África do Sul estuda uma medida polêmica: legalizar o comércio de chifres de rinocerontes. A proposta teria o objetivo de frear a caça indiscriminada dos animais. Só no primeiro trimestre, 138 rinocerontes foram abatidos por caçadores ilegais. O chifre é valioso no mercado asiático, onde se acredita que ele seja afrodisíaco.“
(texto original do jornal)

No site da Agência de Notícia de Defesa dos Animais (ANDA), encontrei a seguinte notícia sobre o tema (publicada em 19 de janeiro de 2011):

“Rinocerontes continuam sendo assassinados na África do Sul

Por Giovanna Chinellato (da Redação)



Este rinocerente sobreviveu por 35 horas após ser baleado duas vezes e ter o chifre serrado enquanto estava consciente.

Desde o começo do ano, cinco rinocerontes foram cruelmente mortos na África do Sul pelos seus chifres. A perspectiva é de que a situação continue a piorar, já que apenas no ano passado 333 foram mortos só na África do Sul, incluindo 10 rinocerontes negros, quase o triplo dos 122 mortos em 2009.

No final do século 19, existiam apenas 200 rinocerontes brancos no planeta. Esforços de conservação elevaram o número para 20 mil, mas a crença asiática de que seus chifres podem curar o câncer, e o grande mercado por trás dela – principalmente no Vietnan, fazem com que cada vez mais animais sejam mortos.

As informações são da PETA.”


Já vi essa história no Brasil quando foi permitido que houvesse a comercialização de algumas espécies de animais silvestres (como araras e papagaios, por exemplo) nascidos em criadouros comerciais credenciados e fiscalizados pelo Ibama. A intenção era permitir que as pessoas comprassem animais legalizados, o que reduziria a demanda por espécimes retirados de seus hábitats, o que consequentemente reduziria o tráfico.

Mas foi isso que aconteceu? Com certeza não. Tanto que o comércio ilegal da fauna continua forte e com muita gente ainda preferindo pagar R$ 500 por uma arara retirada da natureza a pagar R$ 4 mil por uma ave legalizada.


- Leia a nota publicada pelo O Estado de S. Paulo.
- Leia a notícia publicada pela ANDA.
- Assista ao vídeo sobre a caça de rinocerontes na África do Sul (TV IG).
- Leia a matéria “Rinocerontes ameaçados na África do Sul. Cresce a procura de chifres para fins medicinais”, do site ionline, de Portugal.
- Releia o texto do FAUNA NEWS “Depois dos rinocerontes, agora é a vez dos elefantes desaparecerem do Vietnã”.
- Saiba mais sobre os rinocerontes (site InfoEscola).

Nenhum comentário: