Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Inseminação artificial: ajuda a evitar a extinção, mas não substitui políticas públicas de conservação

“Pesquisadores brasileiros realizaram pela primeira vez no país um processo de inseminação artificial com sêmen congelado em seis fêmeas de jaguatirica (Leopardus pardalis), felino da Mata Atlântica que está na lista nacional dos animais ameaçados de extinção.

A experiência é parte de um estudo que tem o objetivo de melhorar o processo de reprodução de espécies em extinção em laboratório, o que aumentaria as chances de evitar o desaparecimento de exemplares.”
– texto da matéria “Equipe faz inseminação artificial inédita em jaguatiricas no Brasil”, publicada em 24 de novembro de 2011 pelo portal G1


Foto: Caio Coronel/Itaipu Binacional/Divulgação
O desenvolvimento de pesquisas nessa área é fundamental, mas não deve contaminar a população e os gestores públicos com a ideia de que a ciência pode resolver qualquer problema – principalmente na área ambiental. O excesso de cientificismo ilude e faz com que preservação e conservação sejam deixadas em segundo plano sob o pretexto de que os danos podem ser revertidos pela técnica.

A inseminação artificial por meio de sêmen congelado é denominada “criopreservação de gametas”. Os procedimentos realizados no Hospital Veterinário do Refúgio Biológico Bela Vista (RBV) da Itaipu Binacional, em Foz do Iguaçu (PR), fazem parte de uma pesquisa científica desenvolvida por meio de uma parceria entre a Itaipu, a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR), a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e a Faculdade Assis Gurgacz.

“Na prática, a ação pode salvar animais da extinção e também possibilitar o intercâmbio genético de felídeos separados pelas barreiras geográficas.(...)

Os últimos filhotes de jaguatirica nascidos no RBV pelo método natural estão com dois anos de idade. Na natureza, as jaguatiricas podem ter até quatro filhotes. A partir deste tipo de inseminação, não há previsão da quantidade de animais que podem nascer.”
– texto da matéria “Jaguatiricas de Itaipu recebem inseminação artificial inédita", publicada em 23 de novembro de 2011 pelo portal Terra

- Leia a matéria completa do portal G1
- Leia a matéria completa do portal Terra
- Assista à matéria sobre as inseminações das jaguatiricas (Paraná TV – TV Globo):

Nenhum comentário: