Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Dilema de quem quer ajudar: comprar ou deixar o bicho com o traficante

Quem é contra o tráfico de fauna ou a manutenção de silvestres em cativeiro doméstico, quando encontra algum bicho sendo ilegalmente vendido imediatamente sente-se perante um dilema: comprar o animal para livrá-lo daquela situação e, quem sabe, conseguir que ele volte à vida livre ou deixar o bicho com o infrator e não sustentar esse mercado negro. Essa situação pode ocorrer, por exemplo, em feiras e no acostamento de alguma estrada brasileira. Nada incomum.

O repórter Glauco Araújo, do portal G1, sentiu na pele esse dilema:

“Na mesma rodovia (PI-143, no Piauí - observação do Fauna News), demos de cara com um senhor e um animal pendurado pelo rabo em uma de suas mãos, era um tatu. Na hora me lembrei do Fuleco, o mascote da Copa do Mundo no Brasil. Fizemos a manobra e voltamos. O senhor veio correndo, acreditando que tinha conseguido um freguês. Ele queria R$ 30 pelo animal. Eu perguntei se estava vivo, pois havia alguns pequenos sinais de sangue na carcaça, e ele respondeu que estava. Até me ofereceu para carregar, pois estava com as patas amarradas. Recusei, não queria ter a memória tátil do mascote da copa naquela situação.

Seguimos viagem, mas fiquei pensando se deixar aquele senhor com o tatu para trás teria sido a melhor atitude da minha parte. Pensei até em retornar, comprar o animal e soltá-lo mais adiante, longe daquele caçador mercantil. Mas pensei também se aquele bichinho sobreviveria solto em um local desconhecido do habitat dele, machucado, se não viraria presa de outro animal. Ainda penso muito nisso, mas resolvemos seguir viagem.”
– texto da matéria “Atenção: (muitos) animais nas pistas”, publicada em 18 de novembro de 2013 pelo portal G1 como parte da série “Caminhos do Brasil: caravana G1”

Tatu por R$ 30 em rodovia do Piauí
Foto: Portal G1

Mas o que fazer?

A resposta você mesmo a terá quando responder a seguinte pergunta: o que o traficante de animai fará quando você comprar o bicho que ele está oferecendo?

Certamente, irá vender outro. Para isso, ele terá de capturar ou coletar mais um animal em seu hábitat ou pegar o bicho com algum intermediário.  Enfim, você estará contribuindo para que a engrenagem do tráfico continue a girar.

Nunca compre animais silvestres vítimas do tráfico. Sim, você vai morrer de pena do bichinho que está sendo vendido, mas dessa forma irá salvar vários outros. Lembre-se: só existe quem vendo porque existe quem compra.

Ao se deparar com alguém vendendo bichos ilegalmente, chame a polícia. Denuncie!

- Leia a matéria completa do portal G1

2 comentários:

Andréa disse...

Realmente é muito triste, mas chamar a polícia vai adiantar? A polícia virá? A polícia deve saber do comércio ilegal, muitos o fazem e nossa polícia infelizmente é OMISSA.
A situação é grave, e as autoridades têm que tomar as devidas providências, não pode simplesmente deixar esses infelizes capturar e venderem os animais...quando esse tipo de crime vai ser realmente combatido?

DIMAS MARQUES disse...

Oi Andréa, realmente chamar a polícia pode, em um primeiro momento não adiantar, mas se não o fizermos, criarmos uma demanda para as autoridades, jamais elas se envolverão com o problema.O poder público só responde por pressão social. Não devemos nos esquecer disso. Obrigado por acompanhar o Fauna News!
Dimas Marques - editor Fauna News