Páginas

"Todos os argumentos que provam a superioridade humana não eliminam este fato:
no sofrimento os animais são semelhantes a nós."
Peter Singer - Filósofo e professor de bioética na Universidade de Princeton, autor de Libertação Animal (1975)

Pesquisar este blog

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Pará: filhotes de onça, educação ambiental e Cetas

“Equipes do Grupamento Fluvial de Segurança Pública (Gflu) participam de uma operação no Parque Estadual do Charapucu, localizado no município de Afuá, no Arquipélago do Marajó, em apoio à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), que coordena as ações de fiscalização. A operação, que teve início no último dia 18, conta ainda com a participação da Divisão Especializada em Meio Ambiente (Dema), da Polícia Civil, e do Batalhão de Polícia Ambiental, da Polícia Militar. O objetivo é intensificar as ações de vistoria e fiscalização na área.

(...) Durante a ação de fiscalização, as equipes resgataram dois filhotes de onça, uma pintada e uma preta, ambas com cerca de 2 meses de idade. Os animais foram encontrados em casas de moradores ribeirinhos e, em seguida, receberam tratamento médico veterinário, foram amamentados e encaminhados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), órgão gerenciado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Macapá.”
– texto da matéria “Grupamento Fluvial e Sema levam a operação Charapucu ao Marajó”, publicada pela Agência Pará (do governo paraense) em 27 de novembro de 2013

Estados da Amazônia ainda precisam de muita educação ambiental voltada para o contato da população com animais silvestres. Há duas grandes linhas formadoras do povo da região: os nordestinos e os indígenas. Em ambos há, fortemente, o hábito de manter animais silvestres em cativeiro domiciliar.

É o que acontece quando, por exemplo, populações ribeirinhas abatem fêmeas com filhotes durante a caça (seja para alimentação ou para “defesa”). Os pequenos animais acabam se tornando os bichos de estimação. É assim com primatas e com felinos. Foi, provavelmente, o que ocorreu com as duas onças apreendidas.

Os trabalhos de conscientização da população deveriam orientar sobre os problemas da caça as consequências de manter animais em cativeiro. Em casos de possíveis conflitos entre, por exemplo, felinos e moradores (que pretendem defender animais domésticos e de produção) deveriam ser oferecidas alternativas de captura e afastamento das onças sem a morte delas.

Outro problema que ficou evidente com a operação é a falta de Centros de Triagem de Animais Silvestres no estado do Pará. O único Cetas paraense pertence à Mineração Rio do Norte, foi inaugurado em 2012 na região da Floresta Nacional Saracá-Taquera, onde ocorre a extração de bauxita pela mineradora.

Um estado com o tamanho do Pará e a biodiversidade que possui deveria ter mais infraestrutura para cuidar de sua fauna. Da União, do Estado e dos Municípios não existe nada. As duas onças tiveram de seguir para Macapá.

Lamentável.

- Leia a matéria completa da Agência Pará

3 comentários:

Julio Cesar Meyer disse...

O conflito entre humanos e onças é natural, assim como o contato com outros predadores.
Criar animais em cativeiro é comum em todo o mundo e nas diversas camadas sociais. Qualquer um que tenha a oportunidade de cuidar de dois filhotes de onça ficaria tentado a levar o caso em frente, pois os animais são demais.
No caso em tela, os animais foram entregues voluntariamente, informando com antecedência a posse dos filhotes, contabilizando agora três filhotes entregues a equipe da SEMA, gestora da UC (Parque Estadual Charapucu).
Fechando com a destinação para Macapá, apesar do problema real da falta de CETAS no Pará - e é urgente, o que provocou realmente é a proximidade de Afuá, município do Marajó com o estado (cerca de 2 horas de lancha) que para Belém, somente de pois de dois dias de viagem.

Julio Cesar Meyer disse...

O conflito entre humanos e onças é natural, assim como o contato com outros predadores.
Criar animais em cativeiro é comum em todo o mundo e nas diversas camadas sociais. Qualquer um que tenha a oportunidade de cuidar de dois filhotes de onça ficaria tentado a levar o caso em frente, pois os animais são demais.
No caso em tela, os animais foram entregues voluntariamente, informando com antecedência a posse dos filhotes, contabilizando agora três filhotes entregues a equipe da SEMA, gestora da UC (Parque Estadual Charapucu).
Fechando com a destinação para Macapá, apesar do problema real da falta de CETAS no Pará - e é urgente, o que provocou realmente é a proximidade de Afuá, município do Marajó com o estado (cerca de 2 horas de lancha) que para Belém, somente de pois de dois dias de viagem.

Julio Cesar Meyer disse...

O conflito entre humanos e onças é natural, assim como o contato com outros predadores.
Criar animais em cativeiro é comum em todo o mundo e nas diversas camadas sociais. Qualquer um que tenha a oportunidade de cuidar de dois filhotes de onça ficaria tentado a levar o caso em frente, pois os animais são demais.
No caso em tela, os animais foram entregues voluntariamente, informando com antecedência a posse dos filhotes, contabilizando agora três filhotes entregues a equipe da SEMA, gestora da UC (Parque Estadual Charapucu).
Fechando com a destinação para Macapá, apesar do problema real da falta de CETAS no Pará - e é urgente, o que provocou realmente é a proximidade de Afuá, município do Marajó com o estado (cerca de 2 horas de lancha) que para Belém, somente de pois de dois dias de viagem.